100 dias da Covid-19 no Ceará: Como o sistema de saúde do Estado reage diante da pandemia

100 dias da Covid-19 no Ceará: Como o sistema de saúde do Estado reage diante da pandemia

Junho 22, 2020 0 Por Simone Gomes

Há 100 dias, fazia sol em Fortaleza. Era domingo. E a polêmica momentânea era o jogo de portões fechados entre Ceará e Sport, na Arena Castelão. O advento do coronavírus já causava temor no Ceará. No Brasil, 14 Estados já contabilizavam casos. Há 100 dias, em 15 de março, o Ceará confirmava os três primeiros pacientes com Covid-19. Agora, se contam 100 dias de dores, perdas, adaptações e superações. E reviravoltas. Mas como era o sistema de saúde antes da pandemia? Que cenário há agora e quais as expectativas para os próximos 100 dias?

Antes, as preocupações, direcionadas no primeiro semestre, sobretudo, às arboviroses – com a expectativa de alta incidência da dengue tipo 2, em 2020 – se voltaram todas para à Covid-19. As emergências e suas demandas diversas como atendimentos cardíacos, neurológicos, traumatológicos e vasculares, dentre outros, não pararam nesse período, é verdade. Mas, em parte, deram lugar à relevância das dores dos acometidos pelo coronavírus. Foi preciso ampliar rapidamente a assistência hospitalar. Até 15 de março, o Ceará confirmou 7.866 casos de arboviroses. Destes, 7.135 eram dengue, conforme dados do IntegraSUS, plataforma da Sesa. Os hospitais seguiam com as demandas corriqueiras, na Capital e demais regiões: leitos ocupados por pacientes com AVC, cardíacos, politraumatizados e também vítimas da violência.

Antes

Na pré-pandemia, só o Instituto Dr. José Frota (IJF), em Fortaleza, entre janeiro e fevereiro, fez 11.563 acolhimentos na emergência para tratar vítimas de queda, engasgo, intoxicações e acidentes de trânsito. Em paralelo, pessoas com doenças crônicas, como diabetes e hipertensão, também seguiam mantendo a rotina de atendimento nos postos.”O Ceará, nas últimas décadas, tem melhoria consistente dos indicadores de saúde. Um aumento refletido na expectativa de vida”, avalia o médico, professor de Saúde Pública e membro do Grupo de Trabalho de Enfrentamento à Covid-19 da Uece, Marcelo Gurgel Carlos da Silva. Para ele, o Estado é “bem provido de hospitais secundários, hospitais polos e também terciários, como os regionais”, e com o passar do tempo, “tem aumentado a capacidade de resposta assistencial”. É também, diz o médico, um Estado com boa cobertura da Estratégia de Saúde da Família.

Apesar dos avanços, o Ceará pré-pandemia, relata a professora do Curso de Enfermagem da Uece, Thereza Maria Magalhães Moreira, tinha como grandes desafios e demandas “as doenças crônicas, ou suas complicações: infarto, AVC, diabetes, obesidade e câncer”. Essas necessidades, diz, “ficaram, em sua grande maioria, recebendo acompanhamento no domicílio, para evitar que as pessoas fossem às unidades de saúde e se contaminassem com coronavírus, pois representavam exatamente grupos de risco”.

O cenário que antecede a chegada do coronavírus, conforme o ortopedista e traumatologista, professor do curso de Medicina da UFC Sobral, João Paulo Tavares Linhares, era um sistema de déficits históricos.”A deficiência em vagas de UTI vem de muito tempo. A gente que lida diretamente com pacientes graves, na minha área da traumatologia sabe. Na nossa região, o índice de acidente é muito alto, então a gente sempre conviveu com essa realidade de escassez nos recursos, leitos e leitos de UTI”, complementa João Paulo .

Com os casos de coronavírus já confirmados, em abril, a Sesa informou que o Ceará tinha 1.181 leitos de UTI no Estado, sendo 680 conveniados ao SUS. Na Capital, relata o prefeito Roberto Cláudio, havia cerca de 1.100 leitos de UTI e enfermaria distribuídos nos 10 hospitais municipais pré-pandemia. Nesses 100 dias, só em Fortaleza, foram criados outros 800 leitos.

Agora

Os casos de coronavírus não têm ocorrido de forma homogênea no Estado. Têm percursos distintos de distribuição. Primeiro assolaram a Capital- que hoje reduz índices da pandemia – , e seguiram para o interior. Conforme dados do IntegraSUS, no dia 29 de abril, (data mais longínqua com informações desse tipo disponíveis na plataforma) o Ceará tinha 30 unidades hospitalares, entre públicas e privadas, com leitos para Covid. Na época, eram 571 leitos de enfermaria e 410 de UTIs. No fim de maio, aumentou para 68 hospitais, com 2.065 leitos de enfermarias e 868 de UTIs. Hoje, são 75 unidades hospitalares, com 829 leitos de UTI e 2.024 de enfermaria.

(Diário do Nordeste)