‘É como se tirassem um peso dos meus ombros’, diz brasileira que aguarda vacina na Inglaterra

Dezembro 8, 2020 0 Por Simone Gomes

“Estou cansada de ver meu marido em casa”, diz a brasileira Beth Kress, de 70 anos, entre risadas. Ela vive em Londres, na Inglaterra, e é casada com um inglês. Os dois estão entre as pessoas dos primeiros grupos a serem vacinados para a Covid-19 no Reino Unido.

Nesta terça-feira (8), ao ver na TV a primeira mulher a ser vacinada, ela disse que sentiu-se “como se estivessem tirando um peso dos meus ombros, das minhas pernas, vou poder ir para onde quiser”.

Ela aguarda uma orientação para saber quando será sua vez de ir ao hospital para receber a primeira dose.

“Eu estou louca para furar a fila! É brincadeira, se nem a rainha tem o privilégio, por que eu, uma plebeia, teria?”, diz Beth.

A partir do dia 14, ela deve receber uma carta com a data e o local de sua primeira dose. A campanha de vacinação começou nesta terça-feira (8) com as pessoas acima de 80 anos.

No Reino Unido, o serviço público de saúde (NHS, na sigla em inglês) tem equipes de médicos de família que atendem regularmente os moradores.

Esses médicos enviaram aos hospitais listas de pacientes que têm a maior prioridade, como os idosos com condições pré-existentes, afirma Beth.

O marido dela, um inglês, deve estar entre os primeiros a receber a vacina, porque ele tem um enfisema pulmonar, diz.

Piores meses da vida

“Para mim, foram os piores meses da minha vida, fiquei enclausurada”, diz Beth, que nasceu na cidade de Nova Era, em Minas Gerais. Desde o início da pandemia, ela se responsabilizou por todas as tarefas domésticas que exigem saídas de casa, como ir ao supermercado ou ao banco.

Beth é fotógrafa, e costuma ir ao interior do Reino Unido, sozinha, para tirar fotos. Como não dirige, ela usa o transporte público para viajar. “Não faço isso há tempos, estou ansiosa, eu sou cheia de energia”, conta.

Primeira vacinação em massa

Os países do Reino Unido são os primeiros que começaram a vacinação em massa de sua população. Na primeira leva, cerca de 400 mil pessoas receberão duas doses cada –a vacina é administrada em duas injeções, com 21 dias de intervalo entre elas. Após a primeira dose já há alguma imunização, mas o efeito total é verificado sete dias após a segunda dose.

(G1)