Igrejas católicas reabrirão em Fortaleza a partir do dia 5 de setembro com medidas de prevenção ao coronavírus.

Igrejas católicas reabrirão em Fortaleza a partir do dia 5 de setembro com medidas de prevenção ao coronavírus.

Agosto 27, 2020 0 Por Simone Gomes

Peregrinações, procissões, festas, romarias e outras atividades similares continuam suspensas, conforme comunicado divulgado nesta quinta-feira (27).

Em comunicado divulgado nesta quinta-feira (27), a Arquidiocese de Fortaleza anunciou o retorno gradual das missas e demais atividades presenciais em celebrações religiosas católicas a partir de 5 de setembro. A reabertura deve seguir medidas de prevenção ao coronavírus, como o uso de máscaras, conforme carta circular do arcebispo de Fortaleza, Dom José Antônio Aparecido Tosi Marques.

As atividades religiosas foram liberadas na segunda fase do plano de retomada da economia no Ceará, desde que mantivessem até 20% de sua capacidade total. Entretanto, a Arquidiocese de Fortaleza afirmou que só reabriria os templos da Igreja Católica Apostólica Romana após a quarta etapa, na qual a capital cearense se encontra atualmente.

Dentre as mudanças apresentadas para a reabertura, está a decisão de que as pessoas com problemas de saúde poderão receber a comunhão em casa. Além disso, haverá aumento no número de missas em horários diferentes para que não haja aglomerações.

Eventos com grandes grupos seguem suspensos, como peregrinações, procissões, festas, romarias, concentrações religiosas, acampamentos e outras atividades, de acordo com as orientações e normas da Arquidiocese de Fortaleza.

Fiéis com sintomas da Covid-19 devem permanecer ausentes no retorno presencial. Para o grupo de risco da doença, o manual orienta que sigam em casa, assistindo as missas e outras celebrações de modo remoto, mas no caso de optarem por ir, recomendam que ocorra durante a semana, “em que há menos presença de fiéis”, diz o comunicado.

As normas valem para todas as paróquias, áreas pastorais e comunidades eclesiástica. Na circular, Dom José pede colaboração dos fiéis e coloca que “somente as normas não serão capazes de realizar o necessário para o bom andamento do processo de retorno à presencialidade”.

Fonte: G1 Ceará.