Vacina chinesa contra o novo coronavírus chega ao Brasil para testes

Vacina chinesa contra o novo coronavírus chega ao Brasil para testes

Julho 20, 2020 0 Por Simone Gomes

terceira fase de testes de uma vacina chinesa contra o novo coronavírus produzida pelo laboratório Sinovac Biotech deve começar em São Paulo, nesta segunda-feira (20). As informações são do portal G1.

Em parceria com o Instituto Butantan, do Governo de São Paulo, serão vacinados 9 mil voluntários em São Paulo, Rio Grande do Sul, Minas Gerais, Paraná e Distrito Federal. Apenas profissionais da saúde podem ser voluntariar.

No final de maio, a revista científica ‘The Lancet’ publicou que a vacina foi capaz de induzir a criação de anticorpos. Em junho, a Sinovac Biotech divulgou que mais de 90% das pessoas que receberam os testes não tiveram efeitos colaterais e que a substância se mostrou segura.

O Instituto Butantan está adaptando uma fábrica para produzir a vacina, com capacidade para produzir até 100 milhões de doses. Em acordo com o laboratório, se a vacina for eficaz, o Brasil ficará com 60 milhões de doses para distribuição.

Os testes da fase 3 devem fornecer uma análise definitiva da eficácia e segurança da vacina. A substância precisa ser capaz de criar anticorpos contra o Sars-coV-2. 

No início de julho, o Instituto Butantan afirmou que o Ceará ainda pode participar dos próximos estudos clínicos sobre a imunização.

O Estado não foi incluído nesta etapa pois a situação da Covid-19 já foi estabilizada, segundo Ricardo Palacios, diretor do estudo da vacina chinesa CoronaVac e gerente médico de ensaios clínicos do Instituto Butantan

A vacina da Sinovac – nomeada de CoronaVac – usa uma versão do coronavírus inativado. Após a fase pré-clínica, com testes em animais, as vacinas devem passar por três fases de testes em humanos até serem aprovadas.

O laboratório Emílio Ribas de São Paulo foi adaptado para vacinar 700 voluntários a partir desta segunda-feira (20). O avião com as vacinas chegou por volta de 4h20 no Aeroporto Internacional de São Paulo, vindo de Frankfurt, na Alemanha.

A inscrição de voluntários começou em 13 de julho. Os candidatos não podem ter sido contaminados pela Covid-19 anteriormente, devem morar perto de um dos 12 centros que irão conduzir a pesquisa no País e, em caso de mulheres, não podem estar grávidas ou terem pretensão de engravidar.

Vacina de Oxford

Uma outra vacina contra o novo coronavírus começou, desenvolvida pela Universidade de Oxford, começou a ser testada no país em junho. O estudo no Brasil é coordenado pela Unifesp.

A vacina britânica, desenvolvida em conjunto com o grupo farmacêutico britânico AstraZeneca, é uma das mais promissoras entre as dezenas que pesquisadores de todo o mundo estão desenvolvendo. 

(Diário do Nordeste)